dr-camisinha
NÃO SE FAÇA DE CEGO, SURDO E MUDO QUANDO O ASSUNTO FOR AIDS E DST.
Apresentação

 

 

PAPEL HISTÓRICO
“O Brasil foi o primeiro país entre os países em desenvolvimento, os países do Sul, a tratar a epidemia, propor uma resposta integral, uma resposta baseada em direitos humanos e acesso universal à ciência para todos que necessitavam.

 

Esse papel que o Brasil teve historicamente nos permitiu avançar e hoje ter uma perspectiva global de chegar ao fim da epidemia. O que nós esperamos? Que o Brasil vai seguir à frente, vai seguir inovando, inovação é fundamental para que avancemos, e vai seguir com seu papel de liderança na comunidade internacional.”

 

O ano de 2016 é o começo da jornada para chegar ao fim da epidemia.Sem dúvida, estamos construindo no progresso, no conhecimento, na ciência e na mobilização mas temos que acelerar e acreditar que podemos chegar ao fim da epidemia. É um ano crucial.”

 

O Ministério da Saúde divulgou dia 29/01/2015 uma pesquisa que mostra que 94% da população sexualmente ativa reconhece a eficiência da camisinha na prevenção da AIDS e DST.

 

O Ministério da Saúde divulgou dia 29/01/2015 uma pesquisa que mostra que 94% da população sexualmente ativa reconhece a eficiência da camisinha na prevenção da AIDS e DST.

 

Apesar disso, 45% dos entrevistados não usaram preservativo nos 12 meses anteriores ao levantamento. Os dados revelaram também que a porcentagem de pessoas que tiveram mais de 5 parceiros eventuais subiu de 9,3% em 2008 para 12,1% em 2013. Já a parcela da população sexualmente ativa com mais de 10 parceiros na vida subiu de 25,9% em 2008, para 43,9% em 2013.

 

Segundo o diretor do departamento HIV/AIDS do ministério, Fábio Mesquita, o aumento do número de casos de AIDS estaria relacionado com “uma geração com mais liberdade sexual que a anterior”. Desde 2006, os casos de AIDS nos jovens entre 15 e 24 anos aumentaram mais de 50%, o que quer dizer mais jovens soropositivos. No resto do mundo, o número de novos casos de HIV entre os jovens caiu 32% em uma década. Por que estamos indo para trás?

 

Vale lembrar que o adolescente vive grandes conflitos: De um lado estão os pais e a igreja gritando: “Não Faça”, porém do lado oposto estão os amigos e a televisão gritando: “Faça”, sem permitir uma reflexão sobre os perigos do sexo sem camisinha, faz com que o adolescente se sinta em um sanduíche espremido entre o pecado e o prazer, pois seus hormônios estão a flor da pele.

 

Sem opção para poder começar e aprofundar suas dúvidas, sentimentos, medos e conflitos, o adolescente acaba praticando o sexo. Daí a importância desta Coleção que trata deste tema de uma forma simples, lúdica e objetiva através de perguntas e respostas, preenchendo plenamente o que se propõe, com informações atualizadas e de fácil entendimento.

 

É sugestão dos Parâmetros Curriculares Nacionais que o tema sexualidade seja transversal a partir dos 6, 7 anos de idade. Será que as escolas e professores estão preparados e capacitados para lidar com este assunto?

 

Esta Coleção foi criada para promover uma Educação Sexual de qualidade dos 12 aos 80 anos de forma clara e franca. O único caminho para diminuir os números alarmantes da AIDS e DST é através da EDUCAÇÃO. A Educação Sexual não é uma tarefa fácil, mas é algo fundamental para que meninos e meninas se tornem no futuro, adultos capazes de viver a sexualidade de uma forma responsável, saudável, prazerosa e principalmente segura.

Justificativa

 

 

O crescimento desenfreado de casos de AIDS e DST no Brasil, a dificuldade dos pais em conversar com os filhos sobre sexo, o pequeno número de escolas públicas e privadas que se preocupam em oferecer aulas de orientação sexual para adolescentes e jovens, a incitação para o sexo através da televisão, são fatores que fazem do lançamento desta Coleção AIDS e DST.

 

Muitos adolescentes se acham donos da verdade!
Mas, quem nunca se achou, não é mesmo?
AIDS e DST são uma Realidade.

 

 

 

Prefácio

 

 

A Organização Mundial de Saúde (OMS), estima que ocorram a cada ano mais de 300 milhões de novos casos de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) em pessoas com vida sexual ativa. Dentre essas doenças podemos destacar AIDS, HPV, HERPES GENITAL, SÍFILIS, entre outras.

 

Estima-se que metade das mulheres irão adquirir alguma DST ao longo de suas vidas, sendo que mais de 50% serão portadoras assintomáticas e terão consequências para sua saúde, mais graves do que os homens.

 

O controle das DSTs é uma árdua tarefa, as barreiras incluem aspectos culturais, dificuldades na modificação do comportamento sexual, altos índices de infecção assintomática nas mulheres e testes caros e de difícil acesso para diagnóstico na maioria da população brasileira.

 

A implantação de atividades preventivas como palestras, campanhas publicitárias, apoio e a participação dos estados, municípios e demais instituições envolvidas, contribuem para o controle e sucesso efetivo das DSTs.

 

Esta coleção “AIDS E DST – Não Caia Nessa” traz através de uma leitura fácil e objetiva, orientações, esclarecimentos e tem o propósito de divulgar à todos os pré-adolescentes, adolescentes, jovens e adultos, a forma mais segura de praticar sexo sem culpa e perigo.

 

Composição da Obra

 

 

Coleção Composta por 3 Volumes Conforme a Descrição do Material.

 

Sustentação Pedagógica#1

 

 

Medo? Tabu? Insegurança? Hora certa? Religião? Estes são alguns dos constantes questionamentos que rodeiam centenas de adolescentes quando o assunto é sexo.

 

Quais são os paradigmas que englobam a sexualidade?

 

Ao longo dos meus 24 anos de magistério em redes privadas de ensino em São Paulo (capital e interior), Florianópolis e atualmente em Curitiba, posso afirmar que muitas coisas evoluíram e mudaram mas quando se trata da sexualidade, a abordagem do assunto, permanece muito semelhante apesar de uma aparente liberdade ou mesmo liberalidade provocada por diversos tipos de mídia.

 

Como trabalho com uma diversidade imensa de alunos de diferentes idades (dos 4 aos 19 anos), posso afirmar que cada faixa etária exibe suas lutas individuais ao tratar de seu corpo, suas mudanças e os mais diversos sentimentos que os acompanham. Mas ao mesmo tempo lutam com a crise de quem seriam as pessoas confiáveis que poderiam escutá-los e orientá-los sem julgar ou criticar.

 

Obviamente este deve, ou pelo menos deveria, ser o papel da família porém, quem os acompanha muito de perto em todas estas mudanças são seus amigos adquiridos no ambiente escolar, onde as mais diversas mudanças afetivas e corporais acontecem. É muito comum os alunos comentarem todo aprendizado que eles julgam saber sobre sexo, ouviram na escola, mas não nas aulas de Ciências ou Biologia e sim com seus amigos que os incentivam a continuarem o aprendizado na Internet.

 

Por outro lado a escola tenta introduzir o assunto com os cuidados sugeridos pelos (PCNs) Parâmetros Curriculares Nacionais cuja orientação é a abordagem interdisciplinar. Na verdade comenta-se muito, expõe-se muito mas ensina-se quase nada sobre este assunto.

 

Tão cheios de informações e com um imenso abismo em sua frente quando se trata de si mesmo e sua própria experiência, sem saber ao certo, pior, sem medo, embarcam em aventuras que muitas vezes tem se tornado verdadeiros pesadelos.

 

Uma das grandes gratificações que o magistério me deu foram dois ouvidos, meu colo de mãe e sabedoria divina que os tornam muito próximos ao ponto de escancararem seus sentimentos, dúvidas e crises me concedendo o privilégio de participar intimamente de suas vidas orientando-os, encaminhando-os, participando de seu desenvolvimento.

 

O tema sexualidade sempre mexe demais com as pessoas. Algumas se desestabilizam, outras demonstram resistência, independente de sua faixa etária todas sofrem do mesmo mal: falta de informações claras contadas realisticamente de forma a levá-las ao convencimento dos perigos que enfrentam ou enfrentarão.

 

Esta coleção AIDS e DST aborda todos estes assuntos utilizando uma linguagem clara e que sem rodeios, instrui, respondendo aos questionamentos da maioria dos indivíduos, suprindo esta carência enfrentada por nós.

 

OBJETIVOS:

Com o crescimento desenfreado de casos de AIDS e DST no Brasil, a dificuldade dos pais em conversar com os filhos sobre sexo, o pequeno número de escolas públicas e privadas que se preocupam em oferecer aulas de orientação sexual para adolescentes e jovens.

 

Nesta perspectiva, A COLEÇÃO AIDS E DST’s – NÃO CAIA NESSA! propõe ao educador e ao aluno:

 

(1) Proporcionar aos pré-adolescentes, adolescentes, jovens e adultos, uma Coleção que aborde de forma clara e objetiva, tabus que atravessam os séculos, com objetivo de barrar esta epidemia de Doenças Sexualmente Transmissíveis;

 

(2) Sensibilizar, conscientizar e capacitar os pais sobre o papel fundamental que exercem sobre o desenvolvimento afetivo, cognitivo, social e moral de seus filhos, fornecendo informações para que possam prevenir de forma inteligente;

 

(3) Estimular debates sobre temas relacionados a uma Educação Sexual Segura e o desenvolvimento do pré-adolescentes, adolescentes, jovens e adultos, com enfoque na proteção de si mesmos e da sociedade como um todo;

 

(4) Possibilitar que o conhecimento sobre Educação Sexual seja significativo e aplicável ao contexto educacional, possibilitando a criação de estratégias didáticas e pedagógicas que levem à busca de soluções dos problemas das doenças sexuais que se apresentam em nossa sociedade atual.

 

Sustentação Pedagógica#2

 

 

Já se tornou lugar-comum a informação de que o número de pessoas contaminadas por DSTs está aumentando a cada dia, que essas doenças afetam a qualidade de vida física ou emocional dos adultos e adolescentes e que, muitas delas, não têm cura. Também não é novidade que quanto mais cedo se inicia a prática sexual, mais há chances de contrair essas doenças.

 

Como educador há mais de 20 anos, percebo o quão precoces estão nossos adolescentes quanto à sexualidade e o quanto eles estão desinformados sobre esse assunto, seja por falta diálogo com os pais, seja por falta de campanhas de prevenção, seja pela pouca abordagem desse assunto nas escolas, ou até mesmo por alguns preconceitos que, no momento, não é o foco da minha humilde discussão.

 

O que quero discutir é que há uma necessidade premente, dentro das escolas, de um projeto voltado à prevenção das DSTs, já que esse assunto é tão pouco abordado pelos veículos de comunicação (revistas, jornais, rádio e televisão, por exemplo) mesmo em épocas em que ele seria de extrema relevância.

 

O que se pode perceber é que esse tema é pesquisado ou explorado somente pelos mais curiosos ou estudiosos que buscam para si mais informações, simplesmente pelo conhecimento sobre o assunto ou prioritariamente para sua autopreservação.

 

Insisto em minha breve discussão sobre a necessidade de um programa voltado à prevenção das DSTs nas escolas, a fim de que nossos adolescentes não mais pratiquem o ato sexual desprotegidos, ou por falta de informações, ou por muitas vezes não serem capazes de medir consequências – atitude bastante comum nessa fase da vida.

 

É necessário muita seriedade e responsabilidade nessa questão. As escolas, os educadores e pais, a utilização de um material didático adequado sobre o assunto, o diálogo sincero e transparente podem ser um grande caminho, talvez não para a extinção desse grave problema, mas, com toda a certeza, um caminho para amenizá-lo.

 

Prof. Paulo César Garófalo
Professor de Literatura, Gramática e Redação. Assessor em Língua Portuguesa e Revisor de texto.
Formação:
Letras Português e Inglês e suas literaturas
Pedagogia – Orientação Educacional e Administração Escolar
Pós-graduação em Literatura Brasileira
Pós-graduação em Revisão de Texto

Empresas que tiveram acesso a esta coleção

 

 

 

Estatísticas

 

 

Casos de Aids em mulheres no Amapá chega a 40% do total de soropositivos em 2016.
De 79 casos identificados no Amapá, 27 são mulheres de 20 a 39 anos.
CVS registrou 56 casos de infecção da doença em grávidas.
Fonte: g1.globo.com 19/10/2016

 

Taxa de Aids no Amazonas é o dobro da média nacional.
Enquanto no resto do Brasil se detecta 20,8 casos da doença a cada 100 mil habitantes, no Amazonas a taxa de detecção é de 39,2 casos.
Fonte: new.d24am.com 08/10/2016

 

DSTs comuns estão se tornando intratáveis.
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), três das doenças bacterianas mais comuns – sífilis, clamídia e gonorreia – estão se tornando resistentes aos antibióticos que são utilizados para combatê-las.Já que o número de pessoas infectadas por essas doenças sexualmente transmissíveis são alarmantes – 200 milhões de pessoas por ano – consequentemente, o número de indivíduos sendo tratados também é cada vez maior.
Fonte: bonde.com.br 09/09/2016

 

Em 7 meses, Itabuna registra 20 casos de HIV a mais que em 2015.
No período de sete meses, a cidade de , no sul da Bahia, já registrou 20 casos de pessoas portadoras do vírus HIV a mais que em todo o ano de 2015, segundo os dados Centro de Referência em Prevenção, Assistência e Tratamento de DSTs do município. De janeiro até o dia 21 de julho deste ano foram 149 novos casos descobertos, e no ano passado, foram 129 casos.O Ministério da Saúde prevê que para cada caso identificado, deve haver cinco que não é identificado.
Fonte:g1.globo.com 29/07/2016

 

Casos de HIV/Aids Aumentam Mais de 45% em Catanduva
De janeiro a junho de 2015 foram 11 casos, enquanto que no mesmo período deste ano número foi para 16.
Fonte: oregional.com.br 23/07/2016

 

Cresce número de casos de Aids em Volta Redonda, RJ
Em 2016, até junho foram registrados 85 casos; em 2015 foram 75.
No Brasil, cerca de 830 mil pessoas convivem com vírus HIV.
Fonte: g1.globo.com 20/07/2016

 

Número de casos registrados de HIV cresce 163% em 5 anos no Paraná.
Secretaria Estadual de Saúde registrou 1.632 novos casos em 2015.
Fonte:g1.globo.com 19/07/2016

 

Aids aumentou no Brasil enquanto caía no mundo, diz ONU.
População vivendo com a doença no Brasil subiu de 700 mil em 2010 para 830 mil em 2015. Dados publicados nesta terça-feira, 12, pela entidade revelam que, se cerca de 43 mil novos casos eram registrados no Brasil em 2010, a taxa em 2015 subiu para 44 mil.
No Brasil, apenas 6% do orçamento seria usado para programas de prevenção e, dos 830 mil pessoas vivendo com a doença, 452 mil estariam recebendo a terapia, cerca de 55%.
Fonte: http://exame.abril.com.br 12/07/2016

 

Santos registra 5 casos de Aids por semana.
Ao longo de 2015, 278 pessoas descobriram que estavam infectadas pelo vírus na Cidade, alta de 28% em relação aos dados de 2012.
Fonte: atribuna.com.br 11/07/2016

 

Casos de pessoas infectadas pelo vírus HIV crescem 22% em Sorocaba
Cidade tem centro que oferece testes rápidos e orientações.
Por ano, são registrados 40 mil novos casos no Brasil.
Fonte: g1.globo.com 11/06/2016

 

Cubatão registra aumento de 825% de casos de contaminação pelo vírus HIV.
Em 2015, 33 pessoas foram contaminadas pelo vírus.
No ano anterior, apenas 4 casos foram registrados.
Fonte: g1.globo.com 12/05/2016

 

Nos últimos 10 anos, o número de adolescentes e jovens entre 15 e 24 anos com HIV, AUMENTOU 41% no Brasil.
“Em um momento de crise política, é importante questionar a falta de ações e iniciativas que promovam o debate sobre sexualidade entre os jovens. Ao invés disso, campanhas de saúde e prevenção não são levadas às escolas da rede pública por falta de empenho e mobilização das autoridades”, destaca Maria Adrião, consultora da Plataforma de Centros Urbanos da UNICEF.
Fonte: catracalivre.com.br 12/05/2016

 

Fim da epidemia de Aids até 2030 pede ‘ação urgente’, diz novo relatório da ONU.
Um novo relatório lançado no dia 06/05/2016 pelo secretário-geral das Nações Unidas, adverte que a epidemia de Aids pode ser prolongada indefinidamente se medidas urgentes não forem implementadas dentro dos próximos cinco anos.
Fonte: nacoesunidas.org 06/05/2016

 

SC tem aumento de 53,5% nos casos de sífilis em 2015, a maioria homens.
Estado teve 5.706 novos pacientes da doença no ano passado, diz Dive.
Cresceram tanto os casos de sífilis adquirida quanto congênita.
Fonte: g1.globo.com 27/04/2016

 

 

David Uip
“A saúde vai piorar”

No momento em que quatro epidemias assustam o País, infectologista diz que falta continuidade nas políticas públicas e afirma que, com um ministro a cada nove meses, não há como encaminhar nada.

 

ISTOÉ –
Vários especialistas, inclusive o Sr., têm alertado para o crescimento de casos de doenças sexualmente transmissíveis como a Aids e a sífilis. O que ocorre? Falta informação?

 

DAVID UIP –
Ninguém vai se atrever a me dizer que as pessoas não estão informadas sobre Aids. Mas ter informação não significa que as pessoas mudem comportamento. Não tem um dia em que não veja casos novos da doença. As pessoas não querem usar preservativo. Além disso, há um estrondoso aumento dos casos de sífilis, HPV, herpes tipo 2. E o pico de aumento é na população mais jovem.

 

ISTOÉ –
As campanhas são ineficazes?

 

DAVID UIP –
Que campanha? Quando você ouviu falar de Aids pela última vez? No dia primeiro de dezembro, que é o Dia Mundial da Aids. E eu falei no carnaval. E só.
Fonte: www.istoe.com.br 26/04/2016

 

Infecção por HIV cresce em Santos, especialmente entre jovens.
Em 2015, 278 pessoas descobriram que estavam infectadas;
número é 28% que o de 2012.
Fonte: atribuna.com.br 19/04/2016

 

“Existem 800 mil pessoas vivendo com AIDS no Brasil, precisamos agir”diz Kevin Frost, CEO da amfAR.
Fonte: epoca.globo.com 14/04/2016

 

Cresce o número de jovens com HIV/AIDS no DF.
Segundo o Ministério da Saúde, nos últimos 10 anos, o número de jovens com AIDS aumentou 188%.
Fonte: radios.ebc.com.br 13/04/2016

 

Dados do SES (Secretaria de Estado de Saúde) da paraíba mostra que número de casos de HIV/Aids aumentaram 69,5% no primeiro trimestre de 2016 comparando com os últimos 3 anos.
Fonte: jornaldaparaiba.com.br 08/04/2016

 

Amazonas é o segundo estado em casos de DST e HIV/AIDS.
Em Tabatinga, faixa etária mais acometida pelo HIV/AIDS ainda são jovens entre 14 a 24 anos.
Fonte: radios.ebc.com.br 01/04/2016

 

Brasil registra aumento de sífilis, DST antiga e que pode matar.
Nos últimos dois anos, o cenário dessa contaminação cresceu e começou
a despertar a preocupação das autoridades sanitárias.
Fonte: correio24horas.com.br 20/03/2016

 

Quanto dinheiro é gasto no combate à doenças?
O investimento mundial em tratamento e prevenção, por ano, é de US$ 24 bilhões. No Brasil, foi aplicado R$ 1,2 bilhão em ações contra a aids e outras doenças sexualmente transmissíveis em 2014. Mas em educação, os investimentos são baixíssimos.
Fonte: bedelho.r7.com 03/03/2016

 

Sífilis avança e deve chegar a quase 42 mil casos entre gestantes neste ano.
Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br 03/03/2016

 

Teresina registra 366 casos de sífilis relacionados à gravidez.
Fonte: jornal.meionorte.com 02/03/2016

 

Criciúma – Aumento nos diagnósticos de sífilis preocupa.
De 2014 a 2015, casos saltaram de 137 para 247
Fonte: engeplus.com.br 29/02/2016

 

Sífilis na gestação sobe de quase 8 mil para mais de 28 mil casos
No Brasil, já são mais de 900 mil casos por ano.
Neurologista diz que doença na gestação pode provocar microcefalia.
Fonte: g1.globo.com 26/02/2016

 

HIV/Aids cresce até 7% ao ano entre os jovens no Amazonas
Doença avança rapidamente no Estado e só no ano passado foram
diagnosticados 1859 novos casos.
Fonte: acritica.uol.com.br 19/02/2016

 

Aumento de casos de sífilis e outras doenças preocupa autoridades.
Número de grávidas com a doença subiu de 1,8 mil para 21 mil em 9 anos.
Dados preliminares apontam 28 mil casos em 2014.
Especialistas afirmam que estamos em uma epidemia por falhas na saúde
pública e falta de prevenção.
Fonte: g1.globo.com 19/02/2016

 

Número de casos de HIV entre adolescentes no DF sobe de 6 para 40 em 5 anos Boletim aponta aumento de 700% nos casos entre jovens de 15 a 19 anos.
Dado mais recente é de 2014; Capital tem 10 mil pessoas em tratamento.
Fonte: g1.globo.com 06/02/2016

 

Cento e sessenta jovens são infectados pela Aids por ano em Pernambuco.
Em cinco anos, 11% dos casos foram confirmados em pacientes de 13 a 24 anos.
Fonte: diariodepernambuco.com.br 03/02/2016

 

Casos de sífilis têm crescimento de 52,5% em um ano em Araçatuba.
Fonte: folhadaregiao.com.br 03/02/2016

 

Especificamente em Alagoas, de 1986 a dezembro de 2015, a Sesau já notificou 5.179 casos de Aids. Destes, 3.407 são do sexo masculino e 1.772 do sexo feminino. Em 2015, 442 pessoas foram diagnosticadas com HIV e 150 portadores chegaram a óbito.
Fonte: aquiacontece.com.br 01/02/2016

 

Menor preocupação com a Aids favoreceu crescimento da sífilis, alerta o Seconci-SP. Número de casos da doença no Estado de São Paulo setuplicou de 2007 a 2013.
Fonte: segs.com.br 26/01/2016

 

HPV aumenta 22 vezes a propensão ao câncer de garganta, revela estudo.
Fonte: catracalivre.com.br 22/01/2016

 

Para diminuir nº de casos de Aids, AM terá unidade móvel para teste de HIV.
Em 2015, foram notificados em Manaus 1.403 casos de Aids.
Testes rápidos permitem atender à crescente demanda pelo diagnóstico.
Fonte: g1.globo.com 09/01/2016

 

Sem remédio contra a Sífilis, Manaus pode registrar surto da doença
sexualmente transmitida.
Há quase um ano o principal e mais eficaz medicamento para o tratamento
da doença, a penicilina benzatina, está em falta em todo o País.
Sem a medicação, muitos casos diagnosticados estão sem tratamento.
Fonte:acritica.uol.com.br 17/12/2015

 

Codó/Maranhão registra cerca de três novos casos de sífilis em mulheres grávidas. Situação virou motivo de preocupação para autoridades de saúde pública. Sífilis é uma doença sexualmente transmissível.
Fonte:g1.globo.com 16/12/2015

 

No Tocantins, segundo dados da Gerência Estadual das Doenças Sexualmente
Transmissíveis, no período de 2010 a 2014, foram notificados 817 casos
de Aids em residentes no Tocantins, destes 63,7% possui idade entre 20
e 39 anos. Já os casos de HIV notificados no ano de 2014, ano em que
se tornou o HIV um agravo de notificação compulsória, dos 247 casos
notificados, 30% ocorreram em indivíduos entre 15 e 24 anos, ou seja,
a infecção pelo vírus também tem ocorrido em populações jovens.
Fonte: surgiu.com.br 14/12/2015

 

Uma explosão de DSTs.
Os casos de doenças como clamídia, gonorreia e sífílis estão aumentando.
Aqui no Brasil, em 1º de dezembro, Dia Mundial da Luta Contra a Aids,
o Ministério da Saúde divulgou os dados do boletim epidemiológico mais
recente. Se as tendências dos últimos anos forem mantidas, deve haver
cerca de 40 mil novos casos, a maior parte deles na população jovem,
sobre tudo entre os homens que fazem sexo com outros homens.
Educar para o sexo mais seguro, fazer com que as pessoas adotem medidas
de proteção voluntariamente, realizar mais testes em quem se expôs
a riscos e tratar rapidamente quem tem uma DST (bem como seu parceiro)
são medidas que ajudam no controle.No caso do HIV, essas estratégias
são ainda mais importantes. Estima-se que 20% dos brasileiros que têm
o vírus não sabem.
Fonte: epoca.globo.com 11/12/2015

 

Catanduva – 27 Casos de Aids Entre Jovens Foram Registrados em 10 Anos.
Quantidade vem aumentando: em 2014 não houve nenhum registro,
já neste ano foram três casos. Entre as causas apontadas pelos
especialistas sobre esse aumento no público jovem estão: a quantidade
elevada de parceiros, falta de proteção, falta de conscientização
e noção do perigo da doença.
Fonte: oregional.com.br 08/12/2015

 

Casos de sífilis disparam em Curitiba, inclusive em gestantes.
Curitiba registrou 299 casos em 2015 e 323 em 2014.
Fonte: bemparana.com.br 08/12/2015

 

Amazonas registra 1.025 novos casos de Aids de janeiro a outubro.
“Nossos jovens estão se contaminando numa faixa muito precoce
de idade, então a gente tem que ter cuidado, passar a usar
camisinha, passar essa informação para os jovens de que a aids
ainda não tem cura”, alertou.
Fonte: new.d24am.com 01/12/2015

 

Casos de aids entre jovens crescem 30% em Santa Catarina.
Grupo entre 15 e 24 anos apresenta alta taxa de detecção
da doença no Estado.
Fonte: anoticia.clicrbs.com.br 01/12/2015

 

Apesar de todos os programas de combate a níveis mundiais, a AIDS ainda contamina mais de 7 mil pessoas por dia.
Fonte: dm.com.br 01/12/2015

 

De janeiro até o início de novembro deste ano, a Bahia registrou cerca de 950 casos de infecção pelo vírus HIV. Em 2014, foram notificados cerca de 1.240. Apesar de as estatísticas apontarem para uma possível redução em 2015,
os números são considerados alarmantes pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab).
Fonte: atarde.uol.com.br 01/12/2015

 

AIDS mata 8 pessoas por dia em São Paulo.
Número de infectados não para de crescer entre os gays de 19 a 25 anos.
Fonte: saude.ig.com.br 01/12/2015

 

Vivemos um ressurgimento da epidemia, diz pesquisador de Aids no Brasil.
Grupos de jovens têm atualmente três vezes mais soropositivos que os das
gerações passadas.
Fonte: tribunahoje.com 01/12/2015

 

Amapá reduz mortes por Aids, mas índice de casos é acima da média nacional.
A cada 100 mil habitantes, 32 têm a doença, informou coordenação de DST.
Fonte: g1.globo.com 01/12/2015

 

Em Alagoas, uma pessoa morre em decorrência da AIDS a cada três dias.
Dados da Sesau mostram o aumento dos casos em todo o estado.
Fonte: cadaminuto.com.br 30/11/2015

 

Epidemiologia registra 112 novos casos de aids em Ponta Grossa/Paraná.
Deste número, 70 são homens entre 30 e 39 anos.
Com estes novos casos, a cidade totaliza 542 pacientes com HIV e 1.647 com Aids.
Fonte: arede.info 29/11/2015

 

Após 30 anos, medo da Aids é menor, mas o risco aumenta.
Com tratamento eficaz, jovens se expõem a sexo sem o uso de preservativo, dizem especialistas.
Fonte: otempo.com.br 29/11/2015

 

12 casos de Aids são diagnosticados por mês em Volta Redonda, RJ.
Média exata é 11,8; foram 118 registros entre janeiro e outubro deste ano.
Deste total, 75% são homens e 52% têm entre 22 e 40 anos.
Fonte: g1.globo.com 28/11/2015

 

Morte de adolescentes com Aids triplicou nos últimos 15 anos, diz Unicef.
Fonte: noticias.uol.com.br 27/11/2015

 

Aumento de casos de sífilis em Pernambuco reflete falta de conscientização sexual.
Fonte: blogs.ne10.uol.com.br 27/11/2015

 

Mais de mil casos de Aids são registrados no Espírito Santo em um ano.
Fonte: folhavitoria.com.br 26/11/2015

 

Sergipe notifica 4.372 casos de Aids, maior motivo é a falta de prevenção.
Estimativas é que no Brasil 150 mil pessoas são portadoras do vírus e não sabem!!
Fonte: itnet.com.br 25/11/2015

 

AIDS se espalha mais pelo Estado e contaminação aumenta em 31%.
Secretaria de Estado da Saúde alerta que falta de informação prejudica tratamento e prevenção.
Os casos de HIV positivo e AIDS em Mato Grosso do Sul aumentaram
31% neste ano. A Secretaria de Estado de Saúde (SES) alerta que a falta de informação vem sendo o principal problema tanto no contágio como para o tratamento, que quando começa tardiamente resulta em complicações para os pacientes e aumenta o risco de morte.
Fonte: grandefm.com.br 24/11/2015

 

Estado vai ampliar prevenção à aids em 12 cidades catarinenses
Doze municípios catarinenses, que tiveram taxas de contração da doença acima da média estadual, receberão reforços na rede de saúde.
Fonte: osoldiario.clicrbs.com.br 24/11/2015

 

Aumento de casos de AIDS em MT preocupam.
Pelo menos uma pessoa descobre ter Aids por dia em Mato Grosso.
Neste ano, o número de casos da doença notificado no Estado já chegou a 435 até outubro, o equivalente a 1,4 casos por dia. Em cinco anos, o número de pessoas com a doença já chega a quase quatro mil em todo o Estado e os diagnosticados com o vírus HIV, de 2010 a 2015, já é de 1.015, dos quais 59,5% são homens.
Fonte: folhamax.com.br 22/11/2015

 

DST pouco conhecida pode acometer mais de 90% dos homens.
A DST pode ser considerada semelhante à clamídia e à gonorreia.
fonte: jornal.meionorte.com 21/11/2015

 

Piauí registra 418 casos de Aids em 2015, segundo relatório da Sesapi.
Metade dos casos registrados acometeu jovens, entre 20 e 34 anos.
Números alertam para a importância da prevenção e conscientização.
Fonte: g1.globo.com 18/11/2015

 

Sífilis tem crescimento de 30% em um ano em Santa Catarina.
Uma doença sexualmente transmissível muito antiga e da qual pouco se fala,
mas que tem voltado a preocupar os profissionais da saúde, já que os casos
vêm crescendo muito em praticamente todo o mundo. Aqui em Santa Catarina
e no Brasil não tem sido diferente.
Fonte: dc.clicrbs.com.br 16/11/2015

 

Florianópolis registra 1.045 casos de Sífilis em 2015, diz secretaria de saúde.
Fonte: globo.com 14/11/2015

 

Supergonorreia, mais resistente a antibióticos, provoca alerta de cientistas e médicos. Desde 2008, o número de casos de gonorreia na Europa cresceu 79%. Nos EUA, os casos aumentaram 8,2% entre 2009 e 2013.
Fonte: montesclaros.com 26/10/2015

 

O Papiloma Vírus Humano atinge 80% da população sexualmente ativa em algum momento da vida.
Fonte: correio24horas.com.br 26/10/2015

 

Casos aumentam e jovens contaminados pela Aids em Minas representam 42% do total. Dados da Secretaria de Estado de Saúde mostram que as contaminações por HIV estão em alta desde 2010 em Minas. Naquele ano, foram 2.256 casos notificados. Em 2014, esse número passou para 3.241 – elevação de 43%.
Fonte: montesclaros.com 23/10/2014

 

Sífilis congênita cresce mais de 100% em 5 anos no Rio.
Fonte: exame.abril.com.br 19/10/2015

 

Pernambuco tem alto índice de crianças infectadas com AIDS;casos podem ser evitados. Estado lidera índices de casos no Nordeste. Para evitar a transmissão vertical de AIDS, é necessário que a gestante faça exames, tome a medicação necessária e não amamente.
Fonte: diariodepernambuco.com.br 07/10/2015

 

Sete pessoas morrem por dia em SP vítimas da Aids.
Apesar do índice, distribuição de antiretrovirais é tida como referência.
Mais de 27 mil pacientes tratam a doença pelo SUS paulista.
Fonte: g1.globo.com 07/10/2015

 

A epidemia silenciosa de sífilis.
Governo não admite que exista uma epidemia, mas o aumento de recém-nascidos com a doença é uma evidência clara do problema. O que se pode ver é que houve, nos últimos dez anos, um progressivo aumento na incidência de sífilis congênita. Se em 2004 era de 1,7 casos para cada 1000 nascidos vivos, em 2013 o número subiu para 4,7 por 1000 nascidos vivos.
Fonte: brasileiros.com.br 23/09/2015

 

A segunda maior cidade do estado do Acre, Cruzeiro do Sul tem 24 casos de Aids confirmados e 16 soropositivos. Só neste ano, foram confirmados três novos casos. Coordenador de programa orienta sobre prevenção.
Fonte:g1.globo.com 21/09/2015

 

Registros de Aids têm alta de 47,21% no Grande ABC.
Os casos de Aids no Grande ABC registraram aumento de 47,21% no último ano em comparação com 2013. Santo André, Mauá, Diadema e Ribeirão Pires registraram 269 casos em 2013, enquanto o total de 2014 ficou em 396. As contaminações pelo vírus HIV começaram a cair por volta do ano 2000, porém, voltaram a subir nos últimos anos.
Fonte:dgabc.com.br 20/09/2015

 

Falta de proteção – Aumento de casos de sífilis preocupa a saúde pública.
Os casos de sífilis aumentaram em 13 dos 14 Estados que têm dados disponíveis sobre a sífilis adquirida, que é aquele em que a transmissão ocorre por via sexual e não da mãe para o bebê. Na comparação entre 2013 e 2014, Santa Catarina registrou um aumento de 34,1% no número de casos e em Guaramirim não é diferente.
Fonte: jornal do vale do Itapocu 18/09/2015

 

Cerca de 2,5 milhões de pessoas estão infectadas pela hepatite C no Brasil.
Apenas 25% sabem que têm a doença.Um novo tratamento dura entre três e seis meses, não tem muitos efeitos colaterais e a perspectiva de cura é de 90%. Entretanto, ele é caríssimo: R$ 450 mil. Essa nova droga só estará disponível no SUS para pacientes com a doença avançada.
Fonte: g1.globo.com 17/09/2015

 

 

Série de ações irá reforçar o tratamento da Aids no Amazonas Dados da Susam mostram que de janeiro a julho deste ano, foram notificados 622 novos casos de Aids no Estado. Já de 1986 a outubro de 2014, a região registrou 11.076 casos da doença.

 

Alarmante 1

O avanço dos casos de Aids no Amazonas, especialmente entre jovens, vem preocupando tanto o governo, que o próprio titular da Susam, Pedro Elias, decidiu tomar as rédias da questão para frear o progresso da doença.

 

Alarmante 2

“O AM está hoje, entre os Estados com a maior taxa de detecção de HIV. Em parte, isso reflete os esforços para ampliar o diagnóstico, mas também exige ações no campo da prevenção, voltado principalmente para o público jovem, onde houve, em todo país, um aumento expressivo da infecção”, diz Pedro elias.
Fonte: acritica.uol.com.br 14/09/2015

 

Pesquisas recentes apontam que 1 em cada 5 gays do centro de São Paulo apresentam sífilis ativa. Vamos deixar bem claro: 1 entre cada 5 pessoas no centro de São Paulo tinha sífilis num estágio em que se é possível transmitir a doença. Dado o nível de desinformação e a falta de preocupação geral com DSTs, não há muita razão para acreditar que essa prevalência seja muito menor em outras regiões de São Paulo, ou do país. Estamos começando o mês de setembro; alguém que ficou com uma pessoa por semana desde o começo do ano pegou 36 pessoas, e potencialmente entrou em contato com 7 portadores de sífilis.
Fonte: ladobi.com 02/09/2015

 

Novos casos de Aids aumentam 170% em Caruaru, diz Secretaria de Saúde. Entre 2009 e 2014, foram notificados 456 novos casos de Aids em Caruaru, Agreste de Pernambuco. Os números cresceram 170,7% no período, sendo 41 notificações em 2009, 59 em 2010, 65 em 2011, 90 em 2012, 90 em 2013 e 111 registros no ano passado. Este ano, 61 novos casos de já foram registrados no município. Os dados consolidados são referentes até o dia 31 de maio e foram levantados pela coordenadoria municipal de DST/Aids/HV, divulgados pela assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde de Caruaru.
Fonte: g1.globo.com 23/08/2015

 

Registrados 76 casos de sífilis em gestantes de janeiro a julho em Teresina. De janeiro a julho deste ano foram registrados 76 casos de sífilis em gestantes em Teresina, segundo a Fundação Municipal de Saúde (FMS). Para promover ações preventivas a essa população, profissionais da Atenção Primária da Saúde participam de capacitações ao longo do mês de agosto.
Fonte: meionorte.com 22/08/2015

 

Minas Gerais – Casos de Aids caem 19%, mas alerta só aumenta. Em 13 de agosto de 1985, foi inaugurado em Belo Horizonte, no Hospital das Clínicas, o primeiro ambulatório de imunodeficiência para atender pessoas infectadas ou com suspeita de Aids. O atendimento começou com nove pacientes e muito temor e desconhecimento da população. Trinta anos depois, o medo da doença diminuiu, já se sabe como ocorre a transmissão e como preveni-la, mas novos casos não param de chegar. Em Minas, foram 1.679 em 2014 – média de quatro por dia. O índice é 19% menor do que o registrado há quatro anos (2.075), mas ainda é motivo de alerta, principalmente entre as novas gerações, que não vivenciaram o surgimento da doença. 12/08/2015

 

Votuporanga – Em 2015 casos de mortes por Aids já supera 2014.
Fonte: A Cidade – O jornal de Votuporanga 12/08/2015

 

Um dado alarmante preocupa os órgãos de saúde em Jaraguá do Sul: no primeiro semestre deste ano, foram registrados 43 novos casos de HIV na cidade. Em todo o ano de 2014, foram 28 novos casos, média de 2,3 por mês. Em 2015, o índice já está em 7,1 novos casos por mês, um aumento de mais de 200%.
Fonte: ANotícia/ clicrbs 10/07/2015

 

Nos últimos anos, os casos de Aids vêm crescendo em todo o país. No Pará, entre 2010 e 2014 obteve-se um aumento de 30% dos casos entre jovens na faixa etária de 13 a 24. A ação de prevenção contra as DSTs será executada nos finais de semana de julho de 2015,em parceria com os Centros Regionais de Saúde e Municípios.
Fonte: Portal Globo 01/07/2015

 

Levantamento exclusivo da UniCarioca mostra ainda que 53% não se protegeram no último ano. Pesquisa revela que 88% dos cariocas fariam sexo sem camisinha no carnaval de 2015.
Fonte: Portal Globo

 

Ouvir de um aluno que “o HIV já não é grande coisa” dá frio na espinha. O desconhecimento e o desdém dos jovens é assustador. Para eles o tratamento para controlar o HIV “é tão fácil quanto tomar pílula para não engravidar” e que “o HIV já não é grande coisa”.
Fonte: Portal UOL

 

Os profissionais da área da saúde estão preocupados com o silencioso avanço da AIDS. Um estudo em que foram entrevistados 1.217 frequentadores de bares, cinemas e boates da região da República e da Consolação, no centro da cidade de São Paulo. Dos entrevistados com 18 a 24 anos de idade, 6,4% estão infectados com o vírus HIV – uma taxa cerca de 50 vezes maior que a média nacional nessa faixa de idade.
Fonte: Portal FAPESP

 

Casos de AIDS entre jovens aumentam 21,5% em sete anos. Levantamento da Secretaria de Estado da Saúde aponta que o número de notificações de casos de AIDS entre os jovens paulistas de 15 a 24 anos aumentou 21,5% nos últimos sete anos. De acordo com dados do Boletim Epidemiológico do Centro de Referência e Treinamento (CRT) DST/AIDS.
Fonte: Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo

 

Casos de AIDS entre jovens aumentam mais de 50% em 6 anos no Brasil. “Houve um aumento absurdo dos casos de AIDS entre os jovens nos últimos anos. Os jovens acham que ninguém mais morre de AIDS hoje, e que se pegar o vírus é só tomar o remédio que acabou e que está tudo bem. Está tudo bem, não. É uma doença grave. Vai ter que tomar remédio pelo resto da vida. E esses remédios provocam efeitos colaterais. AIDS não tem cura, você pega o vírus, o tratamento pode controlar a doença, mas você vai ter problemas pelo resto da vida”, alerta Dr. Dráuzio.
Fonte: Portal Globo – Fantástico

 

Desde o ano de 1986, quando foi registrado o primeiro caso de AIDS em Manaus, a capital amazonense já registrou 8.156 casos de pessoas com a doença. São 5.548 homens, 2.407 mulheres e 201 crianças que contraíram HIV (sigla em inglês do vírus da imunodeficiência humana), causador da AIDS e que ataca o sistema imunológico do paciente, com transmissão por relações sexuais desprotegidas, pelo compartilhamento de seringas contaminadas ou de mãe para filho durante a gravidez e a amamentação.
Fonte: Prefeitura de Manaus

 

Número de casos de AIDS bate recorde nos últimos sete anos em Manaus. De 1o de janeiro a 19 de novembro em 2013, 721 novos casos de AIDS foram diagnosticados em Manaus, com um índice de mortalidade de 3,99%. Foi a maior número de notificações dos últimos sete anos.
Fonte: Diário do Amazonas

 

 

Rio Grande do Sul é o Estado com maior índice de casos de AIDS por habitante, aponta Ministério da Saúde. Ranking da taxa de incidência de AIDS (por 100 mil) em municípios brasileiros com mais de 50 mil habitantes.

1. Porto Alegre (RS) — 99,8
2. Alvorada (RS) — 81,8
3. Balneário Camboriú (SC) — 77,74
4. Uruguaiana (RS) — 67,0
5. Sapucaia do Sul (RS) — 66,4
6. Criciúma (SC) — 61,9
7. Biguaçu (SC) — 60,1
8. Pinhais (PR) — 58,1
9. Florianópolis (SC) — 57,9
10. Canoas (RS) — 57,4

Fonte: Ministério da Saúde do Rio Grande do Sul

 

Morte de jovens com AIDS em MG cresce 66% em três anos. Jovens entre 15 e 24 anos, os mesmos que têm acesso a um grande volume de informação e, em geral, estudaram mais que os pais, formam a parcela da população brasileira em que os casos de AIDS mais cresceram, segundo dados divulgados ontem pelo Ministério da Saúde. Minas segue a tendência nacional. O Estado registrou, entre 2008 e 2010, aumento de 66% no número de mortes entre jovens contaminados com o vírus – o índice anual de óbitos no período saltou de 21 para 35 óbitos. Fonte: Ministério da Saúde de Minas Gerais

Estudos de vários países tem demonstrado a crescente ocorrência de AIDS entre os adolescentes, sendo que, atualmente as taxas de novas infecções são maiores entre a população jovem. Quase metade dos novos casos de AIDS ocorre entre os jovens com idade entre 15 e 24 anos. Considerando que a maioria dos doentes está na faixa dos 20 anos, conclui-se que a grande parte das infecções aconteceu no período da adolescência, uma vez que adoença pode ficar por longo tempo assintomática.
Fonte: Portal Terra

 

No Brasil, foram registrados 66.114 casos de AIDS entre jovens de 13 a 24 anos até junho de 2009. Isso representa 11% dos casos notificados de AIDS no país, desde o início da epidemia. Na mesma faixa etária, a transmissão sexual representa 68% dos casos de AIDS notificados e a via sanguínea responde por 23%.
Fonte: Portal DST-AIDS

 

Todos os anos, no Brasil, são notificados cerca de 3.500 novos casos de AIDS entre adolescentes e jovens de 12 a 24 anos. Esses meninos e meninas enfrentam diversos desafios, como o preconceito e a discriminação, e possuem demandas específicas de sua faixa etária, relacionadas aos seus direitos sexuais e reprodutivos, ao acesso aos serviços de saúde, entre outras.
Fonte: Portal AGENCIA AIDS

Você sabia?

 

 

“Esta coleção contém tudo o que Você precisa saber sobre Sexo, Sem Tabus, dos 12 aos 80 anos.”

 

Você sabia que no Brasil, a cada 5,46 segundos uma pessoa pega um tipo de DST?

 

Você sabia que 15.812 pessoas pegam um tipo de DST por dia no Brasil?

 

Você sabia que desde 2006, os casos de AIDS nos jovens entre 15 e 24 anos aumentaram mais de 50% no Brasil?

 

Você sabia que metade das mulheres irão adquirir alguma DST ao longo de suas vidas, sendo que mais de 50% serão portadoras assintomáticas e terão consequências para sua saúde, mais graves do que os homens?

 

Aqueles que podem ajudar e não ajudam, erram mais do que aqueles que não sabem.